Academia de Medicina da Bahia Scientia Nobilitat
Tamanho da Fonte
Ângela Marisa de Aquino Miranda Scippa
Ângela Marisa de Aquino Miranda Scippa
Membro Titular
25/07/2022
18:00
Discurso de Posse na Academia de Medicina da Bahia de Ângela Marisa de Aquino Miranda Scippa

Boa noite a todos!

Excelentíssimo Senhor Presidente da Academia de Medicina da Bahia, Prof. Dr. Antônio Carlos Vieira Lopes,

Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente da Academia de Medicina da Bahia, Prof. Dr. Bernardo Galvão Castro Filho,

Excelentíssimo Senhor secretário geral da Academia de Medicina da Bahia, Prof. Dr. César Augusto de Araújo Neto,

Excelentíssimo Senhor Acadêmico Prof Dr. Irismar Reis de Oliveira – orador à recipiendária,

Excelentíssima Senhora Acadêmica Profa. Dra. Emérita Eliane Elisa de Souza e Azevedo Representante dos Acadêmicos Eméritos,

Excelentíssima Senhor Acadêmico Prof. Dr. Emérito José Antônio de Almeida Souza – último ocupante da cadeira de número 11.

Ilustríssimos funcionários, estudantes, colegas da Pós-Graduação em Medicina e Saúde da UFBA, Colegas do Complexo-HUPES, Colegas da Faculdade de Medicina da Bahia da UFBA, familiares, amigos, confrades, confreiras e demais presentes nesta cerimônia.

Agradeço, inicialmente, aos confrades e às confreiras por me elegerem como Membro Titular da cadeira de número 11 desta renomada Academia de Medicina da Bahia. Em particular, aos estimados Professores Irismar Reis de Oliveira e Antônio Carlos Vieira Lopes, que me estimularam a participar do processo seletivo para fazer parte deste sodalício.

Agradeço ao confrade Prof. Cézar Araújo e as confreiras Professoras Wilma Santana e Reine Chaves, pelo apoio, pelas palavras de carinho e participação na cerimônia de posse.

Aos Professores Luís Meira Lessa, Armênio Costa Guimarães (in memoriam) e à Profa. Célia Nunes e Silva, grandes mentores no meu percurso como estudante na Faculdade de Medicina da Bahia.

Aos colaboradores do Centro de Estudos de Transtornos de Humor e Ansiedade-CETHA-UFBA, que criei e coordeno há 17 anos.

Ao Mestre e Colega Prof. Dr. Flávio Kapczinski, ilustre colaborador nos projetos de pesquisa, sobretudo os de transtorno bipolar nas últimas décadas.

Aos acadêmicos da graduação em Medicina da UFBA, aos alunos da Liga Acadêmica de Ciências (LAC-UFBA), da qual tornei-me tutora em 2019, aos alunos da pós-graduação stricto sensu e lato sensu, pela inspiração diária que me propulsiona a busca de conhecimento e a produção científica, de forma ética e atualizada.

A minha família, alicerce sem o qual não chegaria a esse ponto na minha carreira profissional. Em especial, aos meus pais Hélio de Miranda Barros (in memoriam) e Maria de Lourdes de Aquino Miranda (in memoriam), minha base sólida; ao meu filho Nicolas Miranda Scippa, ao meu esposo Carlo Scippa, companheiros de todas as horas, aos meus irmãos e irmãs, aos meus sobrinhos e sobrinhas, aos meus sobrinhos netos, afilhados e afilhada.

Agradeço aos pacientes que a mim confiaram os cuidados com sua saúde. Objetivo maior de toda essa trajetória profissional.

Nesta solenidade, assumo a missão de honrar a cadeira de número 11 que me foi concedida nesta Academia, fundada em 10 de Julho de 1958, por Jayme de Sá Menezes, ex-membro da Academia de Letras da Bahia, ex-secretário estadual de saúde e ex-presidente do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. Vale salientar que os objetivos desta Academia são: “Apoiar e estimular a educação e a pesquisa de interesse médico; realizar sessões em que sejam estudados assuntos relativos à Medicina e às Ciências correlatas, bem como desenvolver atividades de cultura geral e humanística ligadas à Medicina’. Para tal missão, não haveria melhor local para esta celebração que a Faculdade de Medicina da Bahia, localizada no Terreiro de Jesus, a primaz do Brasil, fundada em 1808.

Registrados os meus agradecimentos, passo agora a um dos momentos mais importantes desta solenidade, que é fazer um breve panegírico ao Patrono da Cadeira 11, o Prof. Dr. Antônio do Prado Valadares, assim como aos seus últimos ocupantes, os confrades que me antecederam: Dr. José Silveira e Dr. José Antônio de Almeida Souza, este último com quem tive o prazer de conviver enquanto estudante da graduação da Faculdade de Medicina da Bahia-FMB- (a época FAMEB).

Antônio do Prado Valadares (1882-1938)

Dr. Antônio do Prado Valadares, patrono da cadeira 11, deste sodalício, nasceu no dia 13 de junho de 1882, na cidade de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano. Era filho de Miguel Arcanjo Valadares e de Mariana de Jesus Valadares. Contam que, ao nascer, ele foi dado como morto, mas para o bem de todos estava vivo. Interessante dizer que seu nome de batismo era apenas Antônio “Totônio” Valadares, homenagem a Santo Antônio, porém ele adotou o sobrenome Prado em agradecimento ao vigário local Manoel Alexandrino do Prado, por quem nutria grande estima e admiração, atitude que já denotava seu caráter benevolente de expressar o sentimento de gratidão. Dotado de genialidade e precocidade notórias desde os primórdios de sua existência, já era capaz de fazer interpretações de textos complexos, como o que fizera aos 9 anos de idade com o poema Eneida de Virgílio.

Seguindo a sua trajetória, Antônio do Prado cursou o estudo fundamental em sua terra natal, no colégio Dom João Octavário. Mudou-se para Salvador, para completar o preparatório no Ginásio da Bahia. Ainda muito jovem, em 1896, aos 14 anos de idade, ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia e concluiu o curso em 1902. Assim como outros alunos brilhantes, como Juliano Moreira, viria a se tornar também, com a mesma precocidade, professor da Faculdade de Medicina da Bahia.

Durante o seu percurso na Faculdade de Medicina (1896-1902), Antônio do Prado foi considerado aluno brilhante, destacou-se pela sua inteligência. Seguiu sua vida acadêmica como Interno Interino de Clínica Propedêutica (1899), depois Interno Efetivo (1899-1902). Nutria paixão pela propedêutica, motivo pelo qual, provavelmente, escreveu sua tese inaugural com o tema: “Estudo clínico da escuta do coração”. Importante ressaltar que, enquanto cursava o sexto ano de medicina, fora acometido por tuberculose, doença, na época, considerada de difícil tratamento e que ceifava a vida de muitos, mas que felizmente não o impediu de continuar a sua caminhada extraordinária. Contudo, esse adoecimento gerou muitos prejuízos, pois fora internado em hospitais e sanatórios na Europa e no norte da África. Ao retornar ao Brasil, curou-se nas serras do Ceará, felizmente.

Apesar deste grave entrave de saúde, ainda como estudante de Medicina e em reconhecimento ao seu desempenho, foi galardoado com uma viagem à Europa e com a exposição do seu retrato de Acadêmico de Medicina no Panteão, inaugurado em 12 de abril de 1902, um mês após sua formatura. Vale ressaltar que o Panteão fora destinado ao aluno que obtivesse o mais alto nível de distinção durante o Curso de Medicina. Fruto deste ato simbólico, o seu retrato permanece como semente a futuras gerações.

DECRETO Nº 1.012, DE 24 DE AGOSTO DE 1903 Autoriza o Presidente da República a abrir ao Ministério da Justiça e Negócios Interiores o crédito extraordinário de 4:200$, ao câmbio par, para prêmio de viagem ao aluno da Faculdade de Medicina da Bahia, Antônio do Prado Valadares, formado em 1902. O Presidente da República dos Estados Unidos do Brazil: Faço saber que o Congresso Nacional decretou: eu sancciono a resolução seguinte: Artigo único. Fica o Presidente da República autorizado a abrir ao Ministério da Justiça e Negócios Interiores o crédito extraordinário de 4:200$, ao câmbio par, para prêmio de viagem ao aluno da Faculdade de Medicina da Bahia, Antônio do Prado Valadares, formado em 1902, de accordo com o disposto no art. 221 do Código dos Institutos Officiaes de Ensino Superior e Secundário em vigor na República; fazendo as necessárias operações e revogadas as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1903, 15º da República. FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES ALVES. J. J. Seabra.

Devido a sua competência e conhecimentos exemplares, Dr. Antônio Valadares ministrou várias disciplinas como Prof. Assistente: Clínica Propedêutica, de 1905 a 1910; Patologia Geral, de 1911 a 1914; Patologia Médica, cerca de dois anos, quando se tornou, em 1915, Prof. Catedrático de Clínica Médica. Ademais, foi Catedrático de Clínica Propedêutica Médica de 1927 a 1938.

As habilidades de Dr. Antônio Prado Valadares eram diversas: dedicou-se ao ensino, à investigação científica e ao atendimento de pacientes na sua clínica privada. Personalidade forte, não aceitava o descaso, a indiferença. Inquietava-se com aqueles que eram ineptos e descuidados, embora fosse afável e fidalgo. Adquiriu alguns desafetos durante seu percurso profissional, pois era também muito sensível e desconfiado. Tinha o dom da palavra, da crítica e escrevia como poucos. Era poeta também.

Como professor, destacou-se por expressar suas ideias pessoais com afinco, por instigar as dúvidas e os pensamentos próprios. Questionava tudo. Nas aulas que proferia, era muito claro, didático, preparava-as com esmero. Ao finalizá-las, dispunha-se sempre a tirar dúvidas dos alunos que o procuravam. Nos julgamentos de teses, era implacável nas suas críticas e indagações. Atento, dava grandes contribuições: arguia para testar o conhecimento dos alunos, burilava os trabalhos científicos e apontava as contradições e as incertezas. Era fiel as suas ideias e extremamente ético.

Ainda como docente, o Prof. Antônio deixou como legado a obra Memória Histórica da Faculdade de Medicina da Bahia, em 1913. Em 1926, de abril a setembro, realizou uma viagem de estudos a Europa, para o aperfeiçoamento dos conhecimentos científicos e aprendizado de novas tecnologias, o que contribuiu para publicações de grande valor, deixando um legado importante para as futuras gerações. De fato, destaca-se uma variedade temática nos seus textos, com ênfase em temas de Cardiologia, que se manifestou em sua tese inaugural “Estudo clínico da escuta do coração” e em seu trabalho sobre “Lesões oro valvulares do coração”, em 1923. Como fruto de sua versatilidade, publicou:

1- Fragmentos de semiologia médica. A óculo-3 reação de Calmette. (Gazeta Médica da Bahia, em 1908);
2- Questões de linguagem médica: o termo vulgar de impigem (Gazeta Médica da Bahia, em 1908);
3- Alienação e delinquência. Estudo médico-legal de um caso de loucura crime (1915);
4- Brasil Médico: Poliorromenose e Cruzi Tripanomose (1916); do ruído do pião (também chamado de piorra, corropio, rodopio e berra-boi). (publicado novamente na Gazeta Médica em 1917).
5- Pityriasis. Nigra centro albicans (1916). O puru-puru da Amazônia, descrito no Norte do Brasil por Carlos Chagas.

O Prof. Antônio é autor de artigos na Revista Médica Paulista e na Cultura Médica. Publicou livros, matérias em anais de congresso nos campos da Medicina e de outras áreas. Era reconhecido nos ambientes acadêmicos e intelectuais como grande conhecedor da literatura universal. Destacando-se na produção literária com os textos: “Medicina didática. Trechos e fragmentos” (Bahia, 1917); “Medicina didática. Bibliografia” (Brasil Médico, 1917); “Alocuções. Lições de abertura dos cursos. Discursos”; “À Margem de um Congresso Saudação a Miguel Couto e outros discursos” (Bahia, 1928); “Remirando o caos” (Bahia, 1933); “Ave Rui!” (Bahia, 1934).

Preocupava-se muito com a linguagem médica e os problemas no ensino. Na tentativa de expressar de forma justa e no idioma português, os fenômenos que observava nos pacientes, criou neologismos, tais como ergastenia (erg=trabalho, astenia=astenia), trabalho excessivo que causa esgotamento físico e protosifiloma, cancro duro visto na sífilis. Merece destaque o seu parecer apresentado à Congregação da Faculdade de Medicina da Bahia, em que propôs o título de Prof. Honorário ao Dr. Carlos Chagas, aprovado e publicado na Gazeta Médica da Bahia, em 1923.

Sem dúvida, o Prof. Valadares tinha uma fala diferenciada e um envolvimento verdadeiro com tudo que se propunha a fazer. Realmente, seus discursos revelam sua ética, seu compromisso com suas convicções, muito claros nos trechos a seguir: “Reflexionam uns que há verdades que não se dizem no plenário de um auditório expectante de sonoridade e blandícias festivas” e “Primeiro: não pagar ao professor que não trabalha. Segundo: não aprovar o
aluno que não sabe”, palavras proferidas no seu discurso, depois de fazer uma crítica aos problemas na Escola Mater da Medicina Brasileira.

Depoimento de quem conviveu com ele, como o do Prof. José Silveira, ex-aluno e depois assistente, “ele tinha a ânsia do porquê” [...], “ensinava a duvidar, a indagar, a perquirir, em busca da verdade”. Eduardo Oliveira, em sua Memória Histórica de 1942, escreveu: “Purista da língua, possuindo um estilo que lhe era peculiar, deu sobejas demonstrações de admirável talento como professor, publicista e clínico”. O escritor Antônio Loureiro de Souza, em seu livro “Baianos Ilustres (1564-1925)”, faz o perfil deste “sábio” mestre: “Cientista dos mais eminentes, linguista apurado, dono de um estilo próprio, também conferencista admirável. Prado Valadares foi no consenso unânime dos seus contemporâneos e, hoje, no julgamento dos que estudam a sua vida e a sua obra, uma das maiores culturas dos últimos tempos”. Era poliglota, dominava o português e outras sem dificuldades.

No trato com os pacientes, destacava-se também. Tinha ouvido atento. Era um excelente clínico geral, procurava entender as dores físicas e as da alma. Sabia ouvir, tinha empatia e não se apressava nas suas consultas. Seu consultório era sempre repleto de pessoas que o procuravam para ouvir seus pareceres clínicos. Entendia de doenças tropicais e era avante no tempo: “O alvitre didático da especialização de uma patologia tropical não é estorvo, senão, ao contrário, estímulo e incentivo a que se multipliquem as intervenções benfazejas da higiene, da profilaxia e da terapêutica”.

Como legado também importante, deixou cinco filhos. Um deles, Clarival do Prado Valadares, nascido em 26 de setembro de 1918, fruto do seu casamento com Clarice Valadares, tornou-se médico, trabalhou no Rio de Janeiro e, de 1951 a 1953, fez parte do grupo de médicos do Serviço de Anatomia Patológica do Hospital das Clínicas da UFBA, tornando-se o chefe. Foi membro fundador desta Academia e ocupou a cadeira de número 2. Clarival, foi uma semente que deu seguimento as ideias do pai e fez grandes contribuições à Academia de Medicina: “Aqui não se tem feito política de classe, nem de grupo, nem de situação. Somos aqui médicos de diferentes atividades, de mentalidades diversas, de idades que vão da casa dos trinta a casa dos oitenta”. E, adiante:
“Não nos reunimos, como insinuam os detratores, para agrado recíproco, para narcisismo coletivo, tertúlia inconsequente, consagração imprópria”.

Após uma vida intensa, com uma carreira brilhante, o ilustre Prof. Dr. Antônio do Prado encerra seu ciclo de vida em 8 de janeiro de 1938, aos 56 anos de idade, na cidade de Correias (Petrópolis), Rio de Janeiro. Sozinho, afastado de todos, porém deixa sua marca na memória da Medicina Brasileira. É Patrono da Cadeira de número 37 do Instituto Baiano de História da Medicina e Ciências Afins e da Cadeira de número 11 da Academia de Medicina da Bahia. Nesta, foi sucedido pelos Prof. José Silveira e José Antônio de Almeida Souza, este passou a membro emérito em 2021.

Como bem descrevera José Silveira a respeito do Prof. Dr. Antônio do Prado Valadares: “porque não são muitos centros brasileiros que podem se orgulhar de homens de estatura moral, da grandeza cultural e da capacidade científica de um Prado Valadares”.

José Silveira (1904-2000)

José Silveira nasceu em 03 de setembro de 1904 em Santo Amaro da Purificação, Bahia. Depois da infância nessa cidade, continuou os estudos em Feira de Santana e Salvador, onde cursou a Faculdade de Medicina da Bahia-UFBA. Formou-se, aos 23 anos, em 1927, e, no ano seguinte, defendeu a tese inaugural intitulada “Radiologia da Aorta Descendente” Aprovado com distinção, recebeu o prêmio Alfredo Britto e uma Medalha de Ouro, como autor da melhor tese do ano.

Naquela época, estudava e já trabalhava no Gabinete Médico de Eletricidade e Luz, do médico Antônio Valadares, a quem se referia como seu “grande mestre”. Nesse gabinete, fruto do aprimoramento do conhecimento do trabalho de Valadares em Berlim e Viena, funcionava as aplicações de eletricidade médica, diatermia e helioterapia, que foram aperfeiçoadas e geraram as radiografias mais perfeitas da época. Naquele período, Valadares criou uma série de leis: da massa, da distância focal e da iluminação contínua, a fim de melhorar a qualidade das imagens e reduzir prováveis danos provocados pela exposição às radiações.

Em 1928, iniciou a sua atuação prática como assistente dos Mestres Antônio do Prado Valadares e Armando Sampaio. Atuou no ambulatório Augusto Viana da Faculdade de Medicina da Bahia, que funcionava onde hoje está situada a Reitoria da UFBA, no bairro do Canela. Valadares, sem dúvida, foi seu grande mentor, como descrito por ele mesmo no trecho a seguir: “a seu exemplo, me dediquei, de corpo e alma, àquela faculdade, onde tanto sofrera, mas que foi, sem dúvida, a paixão maior de nossas vidas...”.

Ganhou o apelido de “alemão do Canela”, nome de um de seus livros de memórias, apesar de ser “visceralmente baiano”, como gostava de dizer, razão que o levou a recusar convites para trabalhar no Rio de Janeiro e na Alemanha. Em sua viagem à Alemanha, em 1930, aprofundou seus conhecimentos de Radiologia e de Tisiologia, período em que a tuberculose era um dos maiores flagelos da humanidade e se tornaria seu foco de ocupação profissional. Dr. José Silveira foi pioneiro e ousado em suas decisões. Dez anos, após a sua láurea, em 21 de fevereiro de 1937, criou, em Salvador- BA, no ambulatório Augusto Viana, Canela, o Instituto Brasileiro para Investigação de Tuberculose (IBIT), primeira Unidade destinada a esse fim no Brasil, em que desenvolveu a maior parte de suas atividades em Tisiologia. Esse Instituto simbolizou a sua concepção de que não se poderia progredir no controle da tuberculose, sem que fosse criada uma base científica, ideias defendidas pelo Prof. Ludolf Brauer. Segundo esse médico alemão, que muito o influenciou, concretizavam-se em Unidades de pesquisa, em vez de sanatórios, as bases para a institucionalização do tratamento adequado dessa doença infecciosa.

No IBIT, circulavam pesquisadores nacionais e internacionais que organizavam cursos e implantavam setores de pesquisa e serviços, favorecendo o intercâmbio científico-cultural de outros países com a Bahia e com outros Estados brasileiros. Tal relação institucional permitiu ao IBIT, a criação de uma das mais completas bibliotecas do Brasil, especializada, principalmente, em Tisiologia e Pneumologia. Três anos mais tarde, em 1940, Dr. José Silveira fundou o Hospital do Tórax, que mais tarde se transformaria no Hospital Santo Amaro, em Salvador- BA.

No IBIT, além do tratamento aos portadores de tuberculose, existia um trabalho em paralelo, encabeçado pela sua esposa, a Sra. Ivonne Silveira, que se manteve, junto às famílias carentes de pacientes acometidos pela tuberculose. Ela criou a Escola do Menino Jesus, inicialmente voltada para o atendimento aos filhos de pacientes, mas com o tempo, se estendeu às crianças pobres da redondeza.

Em abril de 1947, o Prof. José Silveira foi eleito diretor do Departamento de Saúde Pública da Secretária de Educação e Saúde do Governo do Estado da Bahia, por indicação do governador Octávio Mangabeira e do secretário de Educação e Saúde Anísio Teixeira. Em sua gestão, Dr. José Silveira estruturou o programa estatal de controle da tuberculose, tendo sido, depois, superintendente regional da Campanha Nacional Contra a Tuberculose no Estado. Dentre as suas ações, autorizou a intervenção do Dr. Oswaldo Camargo e sua equipe no Hospital Juliano Moreira.

Dr. Jose Silveira, além de médico foi professor e cientista. A partir de 1950, foi aprovado no concurso de provas e títulos para Catedrático da Faculdade de Medicina da Bahia-UFBA; foi Prof. Catedrático na Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública e lecionou na Escola de Enfermagem da UFBA. Dedicou-se, também, ao atendimento em seu consultório particular, no qual atuou durante toda a sua vida profissional.

Homem de ideias e muito dedicado aos seus trabalhos. Conhecido como um homem respeitador de horários e cumpridor de compromissos. Foi dirigente médico, tendo sido um dos fundadores e presidente da Associação Baiana de Medicina (ABM); organizou e participou de inúmeros congressos nacionais e internacionais, apresentando trabalhos em Tisiologia, dentre outros. Adepto da vacina contra a tuberculose (BCG), Silveira desenvolveu, no IBIT, pesquisas sobre o seu uso, juntamente, com Arlindo de Assis, grande difusor e pesquisador desse tema no Brasil.

O Prof. Silveira defendeu o uso da abreugrafia na busca ativa de casos de tuberculose, dado o grave quadro epidemiológico da doença no Brasil. Com certo saudosismo, como profissional especialista no controle da tuberculose, questionou até o fim de sua vida o desaparecimento da figura do tisiólogo.

O Prof. José Silveira foi o sétimo presidente da Academia de Medicina da Bahia, de 1975 a 1977, e o responsável pela publicação do seu primeiro Anal, em 1978. Estimulou a realização de eventos, tais como o Simpósio sobre Abreugrafia, patrocinado pela Academia de Medicina da Bahia e presidido por ele mesmo. Esse encontro teve como objetivo divulgar e esclarecer o papel da desse método diagnóstico no controle da tuberculose.

O Prof. José Silveira também deixou um legado importante em textos, a saber:

“A Intervenção no Hospital Juliano Moreira, em 1947: Entrevista com o Prof. José Silveira”;
“Dom José Silveira: com seu santo e seu fôlego contra o maior flagelo dos baianos do seu tempo” (1980);
“Os médicos e a cultura em Portugal e na Bahia: olhar(es) introspectivo e analítico sobre o “modo de ser e estar” médico-cultura”;
“Vela acesa. Memórias. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília, INL” (Silveira, 1980);
“No Caminho da Redenção. Retrato de uma época. Salvador” (Silveira, 1988).

Em Santo Amaro, o Prof. José Silveira marcou a sua trajetória de menino pobre a médico renomado com a criação de um Centro Cultural, o Núcleo de Incentivo Cultural de Santo Amaro (NICSA), instalado no sobrado onde passou a sua infância, voltado para o desenvolvimento cultural das crianças daquela região. Em Salvador, dando continuidade aos seus trabalhos, foi criada em 1988 a Fundação José Silveira (FJS) uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, de natureza científico-cultural que objetiva, por meio de seus empreendimentos, alcançar os melhores padrões de qualidade para servir à comunidade.

Atualmente, essa fundação é composta por várias unidades, dentre elas: o IBIT, já mencionado; o Instituto Baiano de Reabilitação (IBR); dedicado a recuperação de pessoas com deficiência motora, o Hospital Santo Amaro (HSA); batizado com o nome do município baiano, em homenagem à sua terra natal; o Laboratório José Silveira (LJS); a Gerência de Projetos de Saúde (GPS) e a Gerência de Segurança e Meio Ambiente (GSMA).

O Prof. José Silveira continua vivo em suas obras. De fato, a FJS expandiu-se para outras cidades do Estado da Bahia, a saber: Hospital Santa Casa São Judas Tadeu (Jequié), Hospital Cristo Redentor (Itapetinga). A Fundação também atua na gestão do Hospital Geral Santa Tereza, em Ribeira do Pombal, por meio de contrato com o Governo do Estado, e na Unidade de pronto atendimento (UPA) dos Barris, contratada pela Prefeitura de Salvador.

Prof. Dr. José Silveira faleceu em 2000, aos 96 anos, mas como disse em uma crônica o romancista baiano Wilson Lins: “Ele é uma vela acesa”. José Antônio de Almeida Souza (1946) José Antônio de Almeida Souza nasceu em 06 de junho de 1946 em Acajutiba - Bahia. Cursou o primário e o ginasial em Alagoinhas e o científico no Colégio Central da Bahia. Ainda jovem, participava à noite como voluntário na Escola de Alfabetização para adultos e do Movimento das Igrejas de São Bento e de Nossa Senhora da Piedade.

Prestou vestibular para medicina na UFBA e na Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública, sendo aprovado em ambas. Cursou a Faculdade de Medicina da UFBA no período de 1967 a 1972. Destacou-se em Fisiologia e Bioquímica, tendo sido convidado para ser monitor, ocupação que manteve por cerca de 3 anos. Na época, para manter os seus estudos, ensinava Biologia em cursos de pré-vestibular em Salvador e fazia o curso de Infantaria do Exército Brasileiro, o qual finalizou obtendo o primeiro lugar.

Ao findar o curso de Medicina, ingressou no grupo de pesquisa do saudoso Prof. Armênio Costa Guimaraes, cardiologista renomado e membro deste sodalício. A sua entrada no grupo de pesquisa em Cardiologia gerou a produção de trabalhos científicos sobre a doença de Chagas, a hipertensão pulmonar e a endomiocardiofibrose (EMF). Essa parceria proporcionou também a sua participação em pesquisa sobre a doença de chagas com o grupo da Universidade de Harvard, liderada pelo Prof. Thomas Huckle Weller. Para tal finalidade, foi criado um centro de pesquisa e treinamento para jovens médicos e cientistas interessados em medicina tropical em uma área rural de Salvador-BA, onde a doença de Chagas e a esquistossomose eram altamente endêmicas. Esse projeto se manteve de 1972 a 1983. Vale lembrar que o Prof. Thomas era um virologista estadunidense famoso, agraciado, juntamente com John Franklin Enders e Frederick Chapman Robbins, com o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1954, por descobertas sobre viroses da poliomielite e seu crescimento nos tecidos. Incentivado pelo saudoso confrade Carlos Marcílio, Dr. José Antônio cursou a primeira turma de Mestrado em Medicina e Saúde com área de concentração em Cardiologia (1973), obtendo o título de Mestre em 1977, com o trabalho intitulado: “Efeito da digital sobre a arritmia extrassistólica ventricular de pacientes chagásicos”, orientado pelo Prof. Armênio Guimarães. Nessa época, foi convidado para chefiar o serviço de eletrocardiografia do Hospital Universitário Professor Edgard Santos da UFBA, (1980 – 1996), fazendo parte do serviço de Divisão Médica do Hospital. Dr. José Antônio foi aprovado em concurso para professor e lecionou na disciplina de Clínica Médica e de Cardiologia, atuando de forma intensa na residência médica em cardiologia. Recebeu convite para trabalhar no Serviço de Cardiologia e de Clínica Médica do Hospital das Clínicas. Atendeu doentes do Sistema Único de Saúde (SUS) e de conveniados e, com anuência do Chefe do Departamento de Medicina da UFBA, levou os estudantes de clínica médica consigo, o que promoveu grande aproveitamento educacional para os alunos.

Nos anos de 1979 e 1980, após aprovação no concurso para bolsista do Conselho Britânico, foi indicado pelo Prof. Dalmo Amorim para o Hammersmith Hospital da Royal PostGraduate Medical School of London, do Serviço de Cardiologia do Prof. John Goodwin, Inglaterra, onde fez a especialização em cardiologia. No ano seguinte, retornou à Bahia e trabalhou como médico voluntário no Hospital Santo Antônio, permanecendo por cinco anos.
O Prof. José Antônio foi, na verdade, um médico envolvido com o cuidar, com o disseminar conhecimentos. Dentre as suas ações: fundou o Serviço Multidisciplinar de Pesquisa em Emergência e Ressuscitação (SEMPER); promoveu a realização de cursos em várias cidades do Estado da Bahia e do Nordeste do Brasil; trouxe o Congresso Brasileiro de Educação Médica para Salvador; enviou professores para outros estados e países para a aquisição de novas técnicas de aprendizagem em Medicina e criou o núcleo multidisciplinar de educação com pedagogos, psiquiatras e médicos.

Sua ação se fez presente também em cargos administrativos. Foi Vice-Diretor da Faculdade de Medicina da UFBA de 1992 a 1996 e Diretor da Faculdade de Medicina da UFBA de 1996 a 2000. Como Diretor, reformou as salas do Pavilhão de aulas com a ajuda da Associação Baiana de Medicina, o que permitiu a realização de concursos para Prof. Titular determinados pela então Magnífica Reitora Profa. Eliane Azevedo.
Nesse período, ingressou no Doutorado em Medicina e Saúde com área de concentração em Cardiologia (1992-1999), com o trabalho: “Efeito do estresse emocional e do exercício físico sobre a pressão arterial em escolares de Salvador”, orientado pelo Prof. Carlos Marcilio.

Na carreira docente, tornou-se Prof. Assistente, Adjunto e aposentou-se, em 2016 como Associado 4. Publicou vários artigos científicos, participou de bancas de Mestrado e de Doutorado. Proferiu palestras em eventos nacionais e internacionais. Foi um dos fundadores do curso de Medicina da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC).

Prof. Dr. José Antônio ganhou vários prêmios de reconhecimento como cidadão da cidade de Salvador, a saber: 2004: Título Super Companheiro, Rotary Club Bahia Leste; 1998: Medalha General Argolo, Polícia Militar da Bahia; 1998: Amigo da Marinha, Marinha Brasileira; 1998: Benfeitor do Exército Brasileiro, Exército Brasileiro; 1998: Cidadão da Cidade do Salvador, Câmara de Vereadores de Salvador; 1995: Medalha Conselheiro Almeida Couto, Corpo de
Bombeiros; 1995: Amigo do Corpo de Bombeiros, Corpo de Bombeiros; 1994: Medalha Amigo da Polícia Militar da Bahia, Polícia Militar da Bahia; 1975: Prêmio Fundação Casal Lauder, UFBA.

O Prof. José Antônio permaneceu como membro Titular desta egrégia Academia, ocupante da cadeira 11, tornando-se Prof. Emérito, título conferido por uma entidade de ensino a seus professores já aposentados que atingiram alto grau de projeção no exercício de sua atividade acadêmica. Seus ensinamentos ecoam entre aqueles que o tiveram como Mestre. Olhar atento, ouvido aguçado de quem sabe auscultar as batidas do coração. Estava ali para ajudar os pacientes e orientar os seus alunos. Lembro-me de frases de colegas, estudantes da disciplina de cardiologia: “Pede ao Prof. José Antônio. Ele sabe tudo e ajuda todo mundo”. Diante do que foi apresentado a respeito dos meus antecessores, espero que eu faça jus a essa honrosa cadeira de número 11 que me foi concedida. Para tal tarefa, declaro que acredito na Medicina Baseada em Evidência, adequada a cada perfil de paciente. Defendo a Medicina atenta ao indivíduo e ao ambiente que o cerca nos seus vários aspectos. Enfrentamos dificuldades. Vivemos em um momento crítico, em que o médico se depara com a luta diária contra conteúdos de redes sociais que, muitas vezes, disseminam conceitos equivocados e deletérios; lidamos com doenças novas, como a pandemia do COVID-19 e a varíola do macaco que aparecem desafiando nosso suposto saber; buscamos o tratamento ideal, eficaz e com menos efeitos adversos; ajudamos a quem nos procura, independente de raça, etnia, religião, situação econômica, gênero ou outra; sofremos com os nossos pacientes e quando somos pacientes, convivemos com vidas que surgem e vidas que se vão. Aqui, um parêntese ao querido Prof. Almério Machado, saudoso membro deste sodalício, que partiu desta vida recentemente, deixando preciosos legados. Encerro agora esse panegírico, citando algumas palavras de Willian Osler que refletem a essência do que acredito ser um verdadeiro médico: “Ver pacientes sem ler livros é como navegar sem mapa, mas ler livros sem ver pacientes é a mesma coisa que não navegar”.

Obrigada a todos!

Academia de Medicina da Bahia
Praça XV de novembro, s/nº
Terreiro de Jesus, Salvador - Bahia
CEP: 40026-010

Tel.: 71 2107-9666
Editor Responsável: Acadêmico Jorge Luiz Pereira e Silva
2019 - 2022. Academia de Medicina da Bahia. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital